Buscar

Seguidores

Visitas



O que acontece de 2 a 4 anos?!

Às vezes acho que eu não acompanho as descobertas dos meus filhos na mesma velocidade com que elas acontecem. Ou então, sinto que por vezes minimizo a capacidade deles em conquistar novas coisas, conseguirem fazer algo em específico sozinhos, enfim, acho que no fundo eu não quero que o tempo passe tão rápido. A prova disso foi quando, semana passada ao irem passar o dia na casa do pai deles, Lucca fez seu primeiro cocô no vaso. Coisa que aqui em casa não haviam feito ainda. Por quê?! Várias explicações, dentre elas, o fato de lá eles usarem redutor de assento e aqui em casa, usamos penico (que não deu muito certo, então vou comprar o redutor também pra fazermos de igual forma), outra explicação é que eu não incentivei o suficiente, por achar que eles não estavam preparados para o desfralde. Enfim, são vários os motivos.

Pedro agora está na fase do nojo, tudo que é "cacaca" que ele encontra pela frente, é motivo de asco, nojo, me chama enlouquecido, como nesses dias que ele fez cocô no banho e quase ficou sem voz de tanto que gritava junto com o Lucca.
Nisso comecei a ficar preocupada, é muito nojo, coisas pequenas causam desespero.

Fui pesquisar e constatei o que eu já imaginava, é aquela coisa que toda mãe escuta: É UMA FASE.
Como isso não explica muito, vou transcrever pra vocês alguns tópicos do que acontece e como agir em algumas situações típicas das crianças entre 2 e 4 anos:

"Essa é uma passagem importante, pois na idade de 2 anos a criança desconecta o EU do OUTRO. Antes dos 2 anos, a criança não tem noção exata de quem ela é. Por isso, se olha no espelho e não se identifica na própria imagem. Não sabe que é ela mesma que está vendo. Aos 2 anos essa diferenciação já acontece e ela consegue “controlar” a imagem no espelho.

Nesta fase a criança possui apenas o raciocínio concreto.

O abstrato ainda não está formado. Exatamente por isso, que os pais devem cuidar da linguagem que usam. Se você diz“Preciso voar daqui, agora!” ela entende literalmente o que você diz. Ou, “Você parece uma bola de tão gordinho” , faz a criança se imaginar como uma bola. Mas, por que isso é tão importante? Porque, é nesse período que as imagens ficam impressas em nossa mente. Elas podem interferir em nossa imaginação e nos acompanham por muito tempo.
É a fase em que o conhecimento das palavras aumenta, e o aprendizado dos nomes do corpo também. A criança já aprende nomes como joelho, pescoço, orelha….e o nome da genitália masculina e feminina. Geralmente, os pais nomeiam corretamente diferentes partes do corpo, mas nessa área, por um constrangimento dos próprios pais, nomes diversos são dados.
No caso das meninas, nomes como: barata, aranha, perereca e vassoura aparecem como nomes “alternativos” e para os meninos,: pistola, passarinho, documentos, etc… idem. No caso das meninas, são nomes que sugerem nôjo, mêdo e que assustam. São noções passadas e fixadas nesta mente, na fase do concreto e que leva, mais tarde, a encontrarmos adolescentes e jovens com uma imagem distorcida do funcionamento da genitália. Geralmente, apresentam um desconhecimento dessa parte do corpo. Levam uma sensação de “não se pode chegar perto”, é “nojento” ou “não sei direito como funciona”.
Se percebe, nesta faixa de idade, o menino segurando seu pênis, frequentemente, com mêdo de que ele de fato possa “sair voando”. A tentativa de disciplinar o filho com esta atitude, ou “mania”, é frequente. Mas os pais ignoram que este comportamento é causado por eles mesmos. Ou, eles se assustam quando vêm o pai preocupado com seus “documentos” que sumiram.
Como é uma fase onde a criança já começa a perceber o OUTRO, ela já diferencia a expressão de raiva ou de contentamento nos pais. Por isso, não se deve permitir que a criança permaneça no quarto dos pais e presencie a relação sexual, principalmente porque é vista como uma agressão, e não como um ato amoroso. Geralmente, é percebido como uma atitude de agressão do pai, em relação, à mãe.
Como não há pensamento lógico nessa fase, é comum no supermercado a criança segurar um pacote de balas, por exemplo, e não querer largá-lo na saída, no caixa. A mão se desespera, neste momento, interpretando tal atitude como rebeldia. Mas para a criança não existe a conclusão de que, poderá receber depois o pacote de balas. É necessário explicar, e levá-la a observar o processo do caixa, para que ela entenda. Pois ela percebe somente o que vê.
Para entender como o OUTRO se comporta, a criança faz a brincadeira de vestir a roupa da mãe, usar seus sapatos, pois assim vestida como a mãe, ela É a mãe. Então, poderá entender como ela, sua mãe, se comporta. As brincadeiras de pai, mãe, médico, etc… acontecem de maneiras repetidas. Quanto mais ela repetir e fizer esse exercício, mais ela aprenderá o comportamento do OUTRO.
É a fase também do Comportamento Aprendido. Se ela machucou a mão e recebeu um carinho, uma atenção maior, ela irá repetir tal fato. Dirá que está com a mão machucada, para novamente receber o mesma atenção. Muitos pais repreendem os filhos, neste momento, imaginando se tratar de uma mentira. Não há nesta fase a consciência do saber enganar o outro. Da mesma maneira que, quando você a proíbe de comer algo e se ausenta. Ela come e como não conclui, não entende como a sua mãe sabe que foi ela que comeu. Também não se trata de “mentiras”. Quando fala sobre monstros, ou conta estórias fantasiosas em excesso. É uma fase de grande imaginação criativa.
Como os meninos têm mais atividade cerebral do lado direito, preferem os carrinhos, pois lidam melhor com espaço e movimento. Já as meninas, têm os dois lados em atividade e lidam melhor com emoções e linguagem. Enquanto as meninas falam mais, mesmo sozinhas, os meninos já começam a preferir jogos com maior contato físico.
É a fase das mordidas, tapas e dos puxões de cabelo. Este é um comportamento percebido como “agressivo”, no entanto, é perfeitamente normal para esta idade. Isto porque o vocabulário ainda não está desenvolvido e a criança manifesta o que quer através deste comportamento. Em situações assim é suficiente, sempre que ela for bater, segurar a mão dela e dizer: “NÃO PODE; ISSO FAZ DODÓI”.
Antes dos 3 anos, NÃO existe socialização. Ela começa a ser formada a partir de 2 anos e se estabelecendo, por volta dos 3 anos. Exatamente, por isso, que o ideal é que a criança inicie a escola somente por volta dos 3 anos (sem prejuízo algum de aprendizado) e assim mesmo por meio período. Nesse período, é importante que a criança fique com a mãe para que tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado. Caso a criança inicie a escola é importantíssimo que a mãe faça o processo de adaptação por completo."
Uma foto desse final de semana pra ilustrar o post:
Alguém passando pelo mesmo?!
Beijo,
Bru.

2 comentários:

  1. Oi Bru, adorei o post, apesar de minhas meninas estarem com 1 ano e 5 meses, observei que estão em várias das fases acima, elas sabem mostrar direitinho todas as partes do corpo, já avisam quando estão fazendo cocô, e quando tiramos a fralda na hora do banho pedimos pra fazer xixi e elas fazem, isso demonstra que já tem o controle, quando se machucam e ganham carinho elas começam a "fingir" que se machucam pra ganhar beijinhos no local, e também brincam de imitar cachorrinho, dai "entramos" na brincadeira junto, e quando digo que o cachorrinho foi embora que quero meus nenes pra brincar elas se levantam e agem normalmente!Mas acho que tudo isso é super normal e saudável ne?

    Beijos Gisa (mãe da Melissa e da Yasmin)

    ResponderExcluir

Fico muito feliz com seu comentário! :)