Buscar

Seguidores

Visitas



Meu relato de amamentação

Eu, sempre acho que consigo dar conta de tudo, que não preciso de ajuda e que vou dar um jeito.
Tipo assim: A Mulher Maravilha.

Infelizmente nem sempre isso acontece e além de ter que dar o braço a torcer e pedir ajuda, a gente se dá conta do quanto certos profissionais são importantes na nossa vida.

Quando eu estava grávida, me preocupei muito com a logística com os guris em casa, em ter tudo certo, em pesquisar bastante sobre gêmeos e como criá-los, etc.. mas pouco pesquisei sobre amamentação. Vi alguns textos, algumas posições mais fáceis de amamentar os dois ao mesmo tempo, mas não me aprofundei no assunto. Por quê? Respondo:
Porque a amamentação é tratada como algo tão natural, tão simples e tão "óbvio" que pra mim era certeza de que daria tudo certo. Não posso dizer que não consegui. Graças a Deus consegui amamentar meus filhos até os 6 meses. Tinha bastante leite.

A primeira mamada deles, com algumas horas de vida.
Mas nem sempre, o motivo da 'não-amamentação' é causada por falta de leite, mas sim por falta de auxílio.

Nós vemos muitos banners, propagandas, imagens lindas de mães plenas amamentando seus filhos, com roupas brancas, a coisa mais linda. Mas essa não foi a minha realidade logo no início.

Dei a primeira mamada pros guris no dia que eles nasceram e foi muito tranquilo, AMEI aquele momento, nunca vou esquecer. Acontece que a demanda era muito grande, estava sempre com um 'pendurado' em mim. No segundo dia, ao dar de mamar pra eles, eu já sentia muita dor, chorava pra amamentar, quando via, eles estavam mamando sangue junto. Foi uma das piores dores que senti na vida. O fato de saber que era a única forma dos meus filhos se alimentarem me deixava mais tensa e pensava "por que isso tá acontecendo?!". 
Em resumo, fiquei 2 semanas sentindo dor pra amamentar. As vezes menos, as vezes mais. Até que os guris tiveram icterícia e ficamos 48h no hospital pra eles tomarem banho de luz, e foi lá que conheci um "anjo".

Uma enfermeira viu meu sofrimento e pediu que uma pessoa do banco de leite viesse conversar comigo.
"A senhora das mãos de fada", é assim que eu a chamo.

Ela sentou comigo, com toda paciência do mundo, explicou tudo, disse que apesar de parecer correta, a posição não estava totalmente adequada. Ensinou como funcionava a sucção, como deveria encaixar, em que momento isso aconteceria. Gente, foi o mesmo que tirar minha dor com a mão!!

Depois desse dia, nunca mais tive dor pra amamentar. Quando eles choravam de fome, eu ia pegá-los pra amamentar tranquilamente, não era a tensão de antes.

Simples palavras que ajudaram muito.

Digo que isso é muito mais comum do que imaginam. Acho que, pensando rápido, entre todas minhas conhecidas e amigas que são mães, a cada 10, 8 tiveram algum tipo de "caso" como esse. Seja com mamilo rachado, dor pra amamentar, má posição na pega, enfim... vários motivos.

Acho bom eu falar isso aqui porque, amamentar é lindo, é tudo de bom, mas também é preciso que se diga que é difícil logo de início. Se você que está lendo esse meu relato agora e está grávida ou no início da amamentação, indico que se informe, leia bastante a respeito.

A Rosane Baldissera, já é bastante conhecida como "a moça das mãos de fada" pra muita mãe, eu não a conhecia na época, caso contrário, talvez não tivesse passado por isso.

Ela é consultora de amamentação e ajuda mães e gestantes nesse momento tão lindo mas também difícil, que tudo é novidade, nossas emoções estão afloradas, muita gente pressiona perguntando da amamentação e é inevitável que a gente se sinta mal em dizer que está com dificuldades.

Quem quiser conversar com a Rosane, deixo abaixo o contato dela e também, pra ajudar nesses casos, a Rosane será colunista do Gente Miúda nesse próximo mês. Se alguém tiver alguma dúvida, deixa nos comentários!

Contatos da Rosane Baldissera:
Site: http://mamaebebeamamentacao.com
E-Mail: mamaeebebe@terra.com.br


16 comentários:

  1. Sem sombra de dúvidas uma das experiências mais sublimes da maternidade! É a plenitude do significado mais primitivo de "ser mãe". Mas, concordo, o início requer coragem e persistência. A ajuda de profissionais experientes é essencial e depois, pelo menos para mim, tudo fica muito natural (como nas fotos de roupas brancas que a Bruna comentou). Fui orientada no hospital e fez toda a diferença.
    Minha filha tem 7 meses e meio e ainda mama no mínimo 4x por dia no peito, sendo que esta continua sendo a única fonte de leite.
    Tenho uma dúvida: como ela tem ganhado pouco peso, o pediatra várias vezes considerou que talvez eu não estivesse produzindo leite suficiente, mas sempre voltou atrás e seguimos firmes e fortes sem complementos. Então, no meu caso, como saber se é suficiente? Ela não parece ficar insatisfeita e muitas vezes larga o segundo seio sem esvaziá-lo. Assim, parece que não é falta, né?

    Beijos e boa sorte pra todas!

    Julia, mãe da Manoela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo né Ju, é muito bom. Mas é importante que tenha a orientação no hospital quando nossos babies nascem, coisa que não aconteceu comigo!!

      Sobre a tua dúvida, vou passar pra Rosane, quem sabe na próxima coluna falamos sobre isso! Muita gente tem essa duvida!

      Beijos!

      Excluir
  2. Ain Bruna, eu conheci a Ro em março deste ano, mas já tinha feito tudo errado...aço relactação desde dezembro pois não tenho qs nada de leite, porém amo amamentar e tb achei q era barbada!!!
    A Ro é um apoio fundamental e tb indico ela pra todas!!!
    Bjão

    http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br/#

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que tu conhece a Rosane, Roberta! Quando conhecemos pessoas assim pra nos ajudar, ainda mais nesses momentos, é demais. Como funciona essa relactação?

      Beijos!

      Excluir
  3. Eu não sofri de dor ou rachadura, sofri de falta de leite mesmo. Acho que por isso não curti a ideia de amamentar... acho que a frustração foi grande demais e aí acabou que não curtia... pq nunca era suficiente pra minha xuxu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Rê, muita gente fala que tem pouco leite. As vezes é uma questão de estímulo, mas também pode ser do próprio organismo. Por isso detesto pitacos e gente querendo se meter. O bom é quando temos alguém com conhecimento pra nos passar.

      Excluir
  4. Eu não sofri com dor, rachaduras e nem falta de leite, foi com o excesso de leite mesmo ou seja - leite empedrado. No hospital, quando o Miguel nasceu tentei dar de mamá pra ele logo que nasceu, mas só consegui amamentá-lo na manhã seguinte ao seu nascimento. E foi também com a ajuda de uma enfermeira que me posicionou corretamente e me ensinou a ver se a pega estava correta. Amamentei ele até 1 ano e 3 meses e foi uma das melhores experiências da minha vida (mesmo com a dor do leite empedrado!!!).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também passei por isso, Mel! Tinha tanto leite que empedrou. Mas foi só no primeiro dia em casa, logo depois nem dava tempo de empedrar! Hehehehe

      Excluir
  5. Gurias, eu sofri muuuito..........
    Também me considerava a mulher maravilha!! que teria minha filha de parto normal e que amamentaria com a maior tranquilidade! Que frustração.... que insegurança.... que medo.... que culpa!!!! Tive cesárea e logo que a Mariana nasceu já a colocaram para mamar. O estrago começou na sala cirúrgica... cada dia ficou pior... usei óleo, lansinoh, intermediário de silicone, mamare, corticoide e nada.... só piorava a cada dia. Já em casa, só chorando, conheci a Rosane... um anjo, uma delicadeza, um profissionalismo.... mesmo eu decidindo não mais tentar amamentar, em nenhum momento ela me pressionou ou me fez sentir mais culpa... ela me apoiou, me ensinou muita coisa.... Recomendo a Rosane a todos!!!!! Não desejo a ninguém o que passei... Tenho uma profunda e eterna gratidão a ela!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei do teu caso Bá, e é por casos como o teu que eu acho super importante que a amamentação seja encarada de forma real e sem tantos floreios! Parabéns por ser a mãe que és!
      Beijão!

      Excluir
  6. Olá meninas, muito obrigada pelos elogios! Quando a gente ama o que faz, não tem como dar errado né? Sobre a questão do pouco leite: existem bebês que ganham peso abaixo da média, mas sempre apresentam um ganho de peso constante. Esses bebês apresentam um biotipo específico, crianças mais magras. O importante é que o bebê esteja dormindo bem, mamando bem, ficando satisfeito após as mamadas, estar ativo, com choro forte...se tudo isso acontece, a mamãe pode ficar tranquila, pois seu leite é sim suficiente! Então Júlia, fica tranquila e segue assim! Parabéns por não te entregar a mamadeira! beijos a todas!!!

    ResponderExcluir
  7. Ai eu escutei a gravidez quase toda que se não fosse por parto normal eu não ia ter leite!!! Uma vez me enlouqueceram tanto que cheguei no consultorio da GO chorando porque eu não ia amamentar.... Depois de muitas conversas com ela me acalmei, tive parto cesárea e ao contrario do que dizia amamento minha filha no peito até hoje!!! No inicio no hospital não foi muito facil, porque ela preguiçosa e não pegava dava duas chupadas e soltava, até aparecer uma enfermeira que me ajudou muito!!! De 3 em 3 horas ia no quarto ver se a baixinha tinha melhorado a pega!! Hoje ta com 1 ano e vai firme no peito!! Pena não ter conhecido a Rosane antes!!! Bjs

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna, parabéns pela postagem! Estou quase ganhando minha segunda filhotinha, com 37 semanas e me preocupo muito com este assunto agora, pois na outra gestação não dei bola e passei por um sofrimento muito grande no início, não com rachaduras e feridas, mas com seios empedrados... tive febre, fiquei com os seios enormes e com muita dor e a minha filha não conseguia nem mamar porque meu bico e seios viraram uma coisa só. Na ocasião, uma amiga minha que tinha passado pela mesma situação me ajudou muito e me ensinou "literalmente" a ordenhar e tirar o excesso de leite, depois disto não tive mais problemas e amamentei até os 6 meses também. Agora estou ansiosa, não vejo a hora de ver o rostinho da minha bebê e de amamenta-la! Beijos e tudo de bom para todas as mamães!!!

    ResponderExcluir
  10. Realmente, amamentar é tudo de bom!
    Tive a sorte de ter leite e da Valentina ter feito a "pega" corretamente desde o início... mas fora isso, tive muitas dúvidas, então a minha amiga-irmã Bárbara me indicou a Rô...
    Nossa, não tenho nem palavras pra falar, a Rô é um amor, super profissional e me ajudou muito... me ensinou a posição correta para amamentar, esclareceu muitas coisas sobre a tal da livre demanda, me ensinou a identificar quando a bebê estava saciada, enfim, foram muitas as coisas que ela esclareceu para mim!!! E tudo de uma forma muito natural.
    Recomendo ela a todas as futuras mamães, bem como as que ainda estão amamentando!

    ResponderExcluir
  11. Ai que frio na barriga depois de ler tanto depoimento... Nossa to com 5 meses de gravidez gemelar. To com medo... mas quero amamentar meus principes... Dois pra amar pra sempre... ;)

    ResponderExcluir

Fico muito feliz com seu comentário! :)