Buscar

Seguidores

Visitas



Mãe Amiga: Bruna (eu, eu mesma!)


A história nunca contada.

Talvez esse seja um dos posts mais difíceis que já escrevi. Os outros complicados de escrever foram sobre a perda do meu pai e da minha avó. (pronto, já estou com os olhos marejados.)

Não sei ao certo o porquê de eu nunca ter relatado isso no blog. Talvez por se tratar de um assunto super delicado, que mexeu demais comigo.

Acontece que achei injusto com todas as mães que literalmente dão a cara a tapa nos relatos, que mostram tudo, que falam tudo de mais íntimo que aconteceu. Achei injusto eu, que sou a dona do blog, não dar o meu relato. O meu relato mais completo.

Existem dois assuntos que não abordo no blog:
(este que vou contar hoje)
Pai dos meus filhos.

De resto, falo de tudo. Faço isso pra preservar o Lucca e o Pedro ao máximo. Além de que não posso falar de terceiros assim sem mais, tendo ou não razão. Enfim... Vamos ao relato.

“Tive uma gestação tranqüila. Me cuidei, me informei, engordei o previsto, tive apoio de muita gente, não tive nenhum tipo de depressão, fiz acompanhamento, todos os exames, tudo, tudinho. Parei de trabalhar com 8 meses porque eu não tinha mais nem chinelo que coubesse nos meu pés, e por causa da pressão, que tinha quedas bruscas.

Contei o relato do parto aqui já, então vou pular essa parte.

Acontece que, como todas vocês sabem, Pedro e Lucca nasceram de 39 semanas de gestação e com mais de 3Kg cada um. Fiquei muito feliz, realizada, orgulhosa de mim mesma, de ter agüentado todo esse tempo, de eles terem nascido com um ótimo peso, isso pra mim significava ir pra casa com eles juntinho, no dia da alta.

Isso não aconteceu.

Os meninos nasceram na manhã de um sábado, através de uma cesariana. Eu tive alta na segunda-feira pela manhã e passei o restante do dia arrumando as coisas pra ir embora e aguardando os exames dos guris pra alta deles, que era certa até então. Fiquei esperando, fui falar com a chefe da enfermagem e nada de darem a alta. Quando foi meia noite, eu já estava de saco cheio, resolvi ser mais grossa e dizer que não agüentava mais aquela espera. Estava angustiada e ela disse que estava tudo bem, só precisava da assinatura do médico que atendia uma emergência naquele momento. Achei aquilo meio estranho, mas ok. Até que lá pela 1h da manhã, os guris já estavam com a roupinha de sair da maternidade e chega o doutor pra conversar comigo. 
Ele explica que deu uma alteração nos exames, e que ambos teriam que ficar internados pra tomar antibiótico. Gurias, meu mundo desabou. Eu me abraçava nos meninos e chorava compulsivamente, não sei como não os sufoquei naquela hora. Chorei muito, muito, muito.
Me atrevo a dizer que nem quando meu pai faleceu eu chorei tanto quanto naquela noite.

Como assim antibiótico?? Eles só tinham mamado no peito, e um copinho de 30ml de complemento logo que nasceram por causa da reação (tremedeira absurda) que me deu logo após o parto, não tinham tido contato com ninguém doente. Comecei a pensar nas visitas, se todas haviam lavado as mãos, teve gente – sem noção – que ficava mexendo nos rostinhos deles, enfim.. Comecei a tentar achar culpados.

Àquela altura da madrugada, eu sem preparo psicológico para deixá-los num hospital, já que no instante em que eu vi que eles nasceram ótimos, relaxei completamente. Conversei muito com a chefe da Neo, ela tentou me acalmar, mas naquele momento era impossível.
Eu estava com muita dor da cesárea, ardia tudo, mas o que mais doía era o meu coração. Eu nem enxergava mais, só tinha lágrimas nos olhos. Não falava nada com nada.

Lembro de ela me pedir pra ir pra casa descansar e voltar no hospital no outro dia pela manhã, pois eu poderia amamentá-los e passar o dia lá com eles.
Foi a pior coisa que já passei na vida: ver os dois em uma neo, beijá-los em meio a um rio de lágrimas, explicar que a mamãe voltava em seguida, virar as costas e sair de braços vazios. Gente, aquilo pra mim, foi a pior coisa do mundo. Eu pisava em ovos. Não pensava mais. Não conseguia pensar que meus filhos não estavam comigo ali. Como assim?? Eles no hospital e eu em casa??

Cheguei em casa aos prantos, meu leite empedrou, tive que fazer compressa, tirar com bombinha porque eu tinha muito leite. No outro dia fui vê-los. Cheguei lá e novamente só chorava. Sentia muita dor nos pontos, conversei bastante com outras mães, até que apareceu um médico pra conversar comigo e explicar o que estava acontecendo: INFECÇÃO HOSPITALAR.

Vocês têm idéia da minha revolta?! Não. Não têm.

O médico, Dr. Ernani Coser, foi meu anjo da guarda. Ele me acalmava como nenhum outro. Conversava, explicava tudo. Ele era amigo da minha ex cunhada, que também é pediatra no mesmo hospital, então tínhamos vínculo, aquilo me deu uma paz muito grande. Ele me explicou tudo que estava acontecendo direitinho, sem poupar detalhes. Disse inclusive, que a bactéria que havia sido identificada, era muito perigosa e foi adquirida pela falta de higiene da pessoa que fez o primeiro exame nos meninos, logo que eles nasceram (sim, quase processei o hospital, mas achei melhor deixar essa história no passado). Coletavam material e analisavam diariamente e viram que eles não desenvolveram a doença, a bactéria veio e o corpo deles conseguiu se defender sozinho. (pra quem não sabe ainda, os meninos nasceram na Maternidade Santa Clara, da Santa Casa de Porto Alegre)
Essa bactéria é muito perigosa, pode levar a óbito ou então deixar sérias sequelas.

Tomaram antibiótico pela veia da cabeça (daí os cabelos cortadinhos que vocês viam nas fotos), e pra minha sorte e surpresa, ficaram somente 4 dias internados. Na sexta-feira tiveram alta. Quando o Dr. Ernani me avisou que eles estavam de alta, eu pulei no pescoço dele, abraçava, chorava e dizia que ele era um anjo (agora realiza a cena da louca aqui fazendo isso).

Vi que eu era uma baita sortuda na NEO, a maioria das mães que lá estavam, tinham filhos com 30 dias lá dentro, pra mais. Os guris não ficaram na UTI, somente na sala que já é pras crianças que estão praticamente de alta.
O atendimento é ótimo, pessoas maravilhosas, atenciosas. Fui muito bem tratada. Quando saía do hospital, passava no banco de leite e tirava leite pra eles mamarem de madrugada.

A maior dor, foi ter que ficar com um de cada vez. Eu não podia pegar os dois ao mesmo tempo, e a neo não deixava ninguém entrar além dos pais. Eu não tinha o pai dos bebês comigo pra dividir isso. Minha irmã estava comigo o tempo todo, mas ficava do lado de fora nervosa, chorando, sem saber o que estava acontecendo lá dentro. Passar por isso “sozinha” não foi fácil. Tanto que, nunca tive coragem de escrever nada disso aqui no blog. Sempre segurei essa história comigo.



Não quero escrever um relato pra vocês chorarem, quero fazer vocês sorrirem, portanto sorriam! Estamos aqui os três, firmes e fortes! Pedro e Lucca são minhas bençãos, meus amores, meus MILAGRES e minhas vidas. Como eu disse há pouco mais de 1 ano atrás: EU TENHO TRÊS VIDAS. Tenho FELICIDADE DUPLA com AMOR DOBRADO.

Beijo,
Bru

23 comentários:

  1. Olá Bruna!!
    Parabéns por ser essa pessoa forte, guerreira! Concerteza seus filhos irão se orgulhar muito da mamãe que eles tem!!
    Bjs :) Pri

    ResponderExcluir
  2. Ah, não tem como não chorar, sendo mãe nos colocamos no lugar de outras mães, no seu, nas mães da uti.
    Mas tu é guerreira,mulher!!
    Que bom que deu tudo certo no final...
    beijos gatona

    ResponderExcluir
  3. Lindo relato Bruna, lindo mesmo eu também fui mãe solteira e te digo que não é fácil e te admiro vendo quanto você é dedicada aos seus lindões, continue sendo esta mulher forte e guerreira, e concordo com a Priscila, pode ter absoluta certeza que teus filhos terão muito orgulho de chamá-la de MÃE!!!Parabéns! Foi um dos melhores relatos que já li!

    ResponderExcluir
  4. Impossível não se emocionar Bru... linda e comovente sua história, sempre te admirei, te achei guerreira... Agora mais ainda, poxa aguentar tudo isso sozinha, não é pra qlq um.. Me orgulho de vc, da sua dedicação, do seu amor, da sua disposição... Claro que somos seres humanos e não são todos os dias que estamos prontos pro que der e vier, mas ngn precisa ver e mto menos saber... Só precisamos mostrar o que é bom em nós e vc é uma SUPER MÃÃÃE... Obg por este relato lindo, por este exemplo lindo... Vc é demais guria... amo vc e amo seus pequenos guerreiros... Espero um dia conhecê-los!!!

    ResponderExcluir
  5. Lindo fofa :)
    Momentos dificeis mas superados e agora é só alegria!!
    Força lindona pra cuidar desses dois fofos lindos!!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Bruna, querida, que relato lindo! Sabe que quando li o relato do teu parto, eu ia lembrando do meu,... e apertava meu coração, porque me vinha a lembrança de quando não pude pegar meus fihos logo que nasceram e não pude ficar com eles,... Lembro que quando estava na sala de recuperação, sozinha, via as outras mães acompanhadas de seus filhos e maridos e eu lá, sozinha, sentindo a dor de estar sem eles, mas sabia que eles estavam bem e que o Felipe estava com eles, e isso naquele momento era o que importava. O dia que dei alta, eu só chorava, cheguei em casa com muita dor no coração e foi a pior dor que já senti e a pior noite que já passei,... e assim foi por 26 dias, quando finalmente a Carolina deu alta. O Raul deu alta no 19° dia. Passou, hoje eles estão ao meu lado, lindos, grandes e cheios de vida e saúde. Isso é o mais importante. Querida, tenho muita admiração por ti e pela família que formaste. Parabéns, viu? Teus filhos são lindos e realmente, assim como os meus são para mim, é a razão de viver, né? Grande beijo no seu coração e muitos beijinhos em cada um dos teus pitocos. Re.

    ResponderExcluir
  7. Bruna, sou do teu time. Do time daquelas que encara as coisas com firmesa e determinação e que não se deixa abater. Percebe-se o quanto tu és uma pessoa de fibra, forte, determinada e muito amorosa com teus filhotes. Depois que passam as dificuldades a gente sempre aprende com elas... Grande beijo pra ti!

    ResponderExcluir
  8. Você merece coisas lindas na tua vida, e elas irão acontecer é só continuar sendo como és, parabéns menina!

    ResponderExcluir
  9. Bru, emocionante tua história e muito rica em amor e superação.
    Vc é uma pessoa de muita luz e abençoada por Deus pode ter certeza disso.
    Seus filhos são lindos!
    Bjs grandes

    ResponderExcluir
  10. Bru, lindo relato! Não sabia que tinha sido uma bactéria grave, imagino o susto! Não sei o que é pior, bebês que nascem a termo e tem uma complicação e vão para o UTI, sendo tirados da mãe, teu caso, ou bebês que nascem prematuros e vão diretos para neo, meu caso. É ruim igual. Mas sabe essa coisa de chegar em casa e chorar, chorar? Vejo q todo mundo diz isso, mas eu não tive isso... Me sentia tão cansada na minha alta que só queria me deitar, mas nem dormir eu consegui direito pq não conseguia respirar bem. No dia seguinte minha pressão tava 17 por 10, eu estava cheia de edema (até no pulmão) e eu voltei para o hospital e passei pelo pior dia da minha vida... Mas graças a Deus deu tudo certo para nós e hj temos cada uma dois bebezões saudáveis. bjs

    ResponderExcluir
  11. Bru,

    Que absurdo essa infecção! Mas Deus é maravilhoso, eles não tiveram sequelas, e estão hoje lindos e perfeitos. Realmente tem que ser muito forte e aguentar o "tranco" ao sair da maternidade sem os filhos, esse era o o meu maior medo. Mas você venceu tudo isso, e tem uma equipe que é a sua família e alguns amigos que te apoiam e te dão todo suporte necessário.

    Beijos nos 3!

    ResponderExcluir
  12. Que realato lindo Bru, eu que não sou de chorar por nada enchi os olhos de água.. beijões e parabéns por ser esse mãe tão querida. beijões para os meninos!

    ResponderExcluir
  13. Já te admirava por cuidar dos meninos sozinha, agora depois desse relato mais ainda! Super beijo e parabéns! Que Deus continue dando o melhor para esta família linda!

    ResponderExcluir
  14. Bruna, só quem tem passa por uma NEO sabe oq significa estar la... Fiquei 62 dias com a C na neo do moinhos de vento e sou eternamente grata aos profissionais q cuidaram dela... Realmente ir pra casa e nao leva-la junto foi a pior parte... Mas graças a Deus tdo esta bem. Tdo na vida são etapas q vamos vencendo e isso nos torna menos frageis e mais preparadas.

    Beijao

    ResponderExcluir
  15. Muito emocionante teu relato, Bru! Não poderia ser diferente, a "dona do blog" só poderia ter uma história de força e superação para nos contar. Caso contrário, não terias essa sensibilidade que toca tão profundo todas que aqui te visitam! Beijão, Lu

    ResponderExcluir
  16. Oi Bubu,

    Não poderia deixar de te mandar uma mensagem sabemos de tudo que passou antes, durante e depois da tua gravidez, mas sabemos também o quanto é merecedora destes anjos e o quanto é forte,guerreira e determinada, pode ter certeza de duas coisa na tua vida, uma que teu futuro será lindo e repleto de realizações e a outra que jamais eu disse jamais estará sozinha pois SEMPRE terás a tua familia o teu lado.

    beijos do teu irmão Décio Rockenbach,Márcia, Diego e Yzadora.

    ResponderExcluir
  17. O Bru!!!Que você é uma guerreira e batalhadora isso eu já sabia, o Pedro e Lucca tem sorte de ter uma mãezona ao lado deles. Realmente eu não imaginava que vocês tinham passado por isso, mas graças a Deus eles estão ai fortes, lindos e saudáveis!!!

    beijos amiga

    ResponderExcluir
  18. Oi, Bruna parabéns e você é uma pessoa guerreira porque ter gêmeos e ainda ter de deixá-los no hospital. Mas temos que ver esses fatos como nossas vitórias e olhar pra nosso(s) filho(s) e ver como eles estão saudáveis, fortes e arrumando a casa.

    Bjsssssssssssssssssssssssssssssssss.

    ResponderExcluir
  19. Que lindo o teu relato...
    Como já disseram... tu é uma guerreira, se um dia eu for mãe, quero ser como tu.
    Pra mim, um exemplo de pessoa que consegue superar os obstáculos de cabeça erguida e um sorriso, mesmo que difícil, no rosto.

    bjão nos três

    ResponderExcluir
  20. Bruninha

    Quanto tempo não nos vemos!!! Quase nunca consigo ler o blog, mas sempre penso em ti e nos babies com muito carinho! Lindo esse relato.
    qualquer dia que eu for a Porto te ligo para nos encontrarmos, tá?

    Como estão os preparativos para a festa de uma aninho? Eu infelizmente não planejei a festa, primeiro estou planejando a cirurgia... taí, esse tb é um bom assunto para eu te escrever qualquer dia no blog.
    Bjos
    Ana Bugni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha!!! Penso muito em vcs!!! To com saudade!!!

      Escreve sim um relato do Arthur, acho que é super válido!!!!

      Como ele tá?! Se precisar de alguma coisa, me fala!
      Estou na correria com o niver, mas tá tudo dando certinho!! :)

      Beijão!!!!

      Excluir
  21. LINDA história Bruna! Quaaaase chorei - segurei a lágrima.

    Linda história, imagino a sua cara qdo disseram que os meninos não poderiam sair contigo...

    Que bom que tudo deu certo e que eles estão aí, lindos e maravilhosos para contar a história!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Pois é Bubu,foi muuuito dificil mesmo essa fase, mas tu sempre foi guerreira. Não sei se eu teria a mesma força que tu teve.
    Não gosto nem de lembrar esses dias, em que eu ficava aguardando do lado de fora qualquer noticia, querendo tocar nos meus anjinhos ou pelo menos poder dar uma espiadinha neles, através do vidro.
    Graças a Deus, hj eles estão lindos, fortes e são muito amados.
    Pedro, Lucca e mamãe Bruna....amo muito vcs!!!!

    ResponderExcluir

Fico muito feliz com seu comentário! :)