Buscar

Seguidores

Visitas



Mãe Amiga: Paola (Lola)

Hoje o relato do Mãe Amiga é sobre uma mãe moderna. Uma pessoa que além de Super Mãe, tá prestes a poder ser chamada de Super Arquiteta!

Não entendeu o que eu to falando? Lê o relato descontraído da Lola que vocês vão entender:

"Bah e tem aqueles dias que a gente tenta, tenta escrever e não sai nadaaa.  Então assim, resolvi criar um "climinha" para este momento. Um café e o  som acústico MTV  Nirvana.
Tem vezes em que a vida da voltas e nos da sustos que viram recompensas depois.  E este momento foi quando engravidei da Antonella. Imagina como era a vida de uma estudante de arquitetura na capital em uma repúbica com um monte de gente, festas, curtidas e um namorado músico que morava em Pelotas. 

E pimba! Descubro que estou grávida no auge da minha liberdade, filha de um  final de semestre onde inconsciente (ou não) esqueci de tomar a pílula.  No 8º mês de gravidez voltei para Pelotas para que a Ton nascesse perto do meu namorado (hoje marido) e do maninho dela(Arthur).  Antes de trancar a faculdade escutei de muita gente "tu não volta", e isso foi me dando uma tristeza e uma raiva ao mesmo tempo.  Porra! Por que não volto?? Como as pessoas sabem mais do que eu da minha vida? Ahh volto a estudar sim, volto mesmo!
Fui criada por mãe e pai que trabalharam a vida inteira, mãe presente sim, mas médica que fazia plantão à noite para nos dar melhor conforto, mãe lutadora. E como a fruta não cai longe do pé quando a Antonella estava com 11 meses  voltei a estudar em Porto Alegre, aproximadamente 300 km de distância de Pelotas. . E doeu muito, mas foi uma escolha... não queria no futuro atribuir a ela a frustração de não ser uma arquiteta, ou de não ter o futuro profissional que sonhei. Sempre quando a saudade batia ( Afinal eram 4 dias por semana longe dela, do Arthur e do meu marido) eu pensava no futuro e no orgulho que ela teria ao saber que a mãe não desistiu  dos sonhos.

Paola e Família

Doía ver a Ton na porta chorando para ficar comigo, mas eu não podia olhar para trás.  A vontade de ter o  futuro que sonhei era muito grande.  
Sabe o que eu fazia quando estava longe? Estudava muito, entrava de cabeça no aprendizado, e de verdade, evitava pensar na Antonella. Tentava mudar meu pensamento porque dói uma mãe longe da filha, mas o cordão umbilical em algum momento tem que ser "cortado"(não totalmente, afinal mãe ta sempre perto nem que seja em pensamento ).
Aprendi com o Diego a trocar quantidade por qualidade no relacionamento, então quando estou com a Tonton, tento ser intensa.

E quer saber? A coragem valeu a pena, foi muito duro, mas nos deu uma estabilidade maior. O meu marido veio morar em Porto, mas a Antonella fica na escola em turno integral (preferi o turno integral do que deixar com babá), e ela esta super acostumada e adora. Na turma dela todas as  crianças passam o dia. Para ela isso é natural. Acho que a adaptação da escola é mais das mães do que dos filhos.

E hoje em dia respiro fundo e penso que valeu a pena, e ainda vale a pena todo o esforço. Quem a conhece, sabe que a Ton não é nem um pouco carente, tem amor para dar e vender.  E quando olho para o passado penso que se tivesse feito outra escolha não seria tão feliz, ainda tenho sonhos para alcançar e que nunca vão acabar.  Tenho filhos e marido, mas também sou mulher . Não dá para esquecer nenhum destes lados.

Bom falei demais, mas se deixar fico horas escrevendo sobre isso... A história é longaaaaa!
Beijos Lola"


O que vocês acharam? Gostaram?

A Lola faz parte do Gente Miúda e nos deixou com gostinho de quero mais essa semana quando contou uma parte só da história.
Ah, ela também escreve um blog, este aqui.

Me contem das experiências de vocês! Alguém mais tem uma experiência dessas?!

Beijo,
Bru.

8 comentários:

  1. Linda história e muita coragem :)
    Parabéns Lola :)
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Bruna vim aqui por causa da Lola, mas senti vontade de ficar e conhecer melhor o gente miúda! Beijo

    ladodeforadocoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. ahhaha, adorei!! Mas agora o marido ta aqui pedindo os créditos dele pois ficou sozinho com a ton... heheh...
    beijoossss

    ResponderExcluir
  4. Ahh gurias, eu não sou a melhor pessoa para escrever... então desculpa qualquer frase mal escrita!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ah, que legal!
    Parabens pra Lola, esta querida amiga . Todo esforço vale a pena!
    Parabens, Bruna, pelo post.
    Adorei!!!!
    Bjks mil

    http://blogdaclauo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Que linda historia!! O menino também é seu? Fiquei meio perdida... que idade voce tem? Parece ser bem novinha! Conheço meninas que engravidaram novas e desistiram de tudo, mesmo morando com a familia e tendo apoio. Então é como dizem, tudo depende da força de vontade!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! O menino é filho do meu marido mas trato como meu filho também.. afinal hoje em dia os pais não tem vários flhos mas os filhos tem vários pais. Por sinal tenho 26 anos. Beijos

      Excluir
  7. Adorei! A Lola é uma mãe especial e uma amiga querida (mesmo que AINDA não pessoalmente),adorei conhecer mais sobre o início. Adoro o bom gosto e o blog lindo dela!! Bjo enorme pra você Bruna e pra Lola.

    ResponderExcluir

Fico muito feliz com seu comentário! :)